Triathlon: qualquer um é capaz de fazer!

OK, vocês venceram! Acho que já passou da hora de redigir um post sobre minha vida de triatleta amadora! Tenho certeza que esse é um tema que desperta a curiosidade de muitas pessoas. Afinal de contas, triathlon é um esporte  aparentemente complexo, não é verdade?! Nadar, pedalar e correr… socorro! É muita coisa! Como assim uma pessoa comum pode vir a fazer esse tipo de esporte? Aposto que essa é a pergunta que não quer calar…

Pois hoje, a ideia é desmistificar a complexidade do triathlon! Vou contar para vocês a minha história. Quero provar que qualquer um é capaz de fazer esse esporte apaixonante. Basta ter cabeça e força de vontade!

O triathlon é uma mescla de três modalidades: Natação, ciclismo e corrida. Exatamente nessa ordem! Até aí, nenhuma novidade! O que nem todos sabem é que existem diversas categorias de triathlon, as quais são classificadas conforme as distâncias a serem percorridas. Vejam só as provas mais comuns na tabela abaixo:

Triathlon Natação Ciclismo Corrida
Sprint 750 m 20 Km 5 Km
Olímpico 1,5 Km 40 Km 10 Km
70.3 (meio Ironman) 1,9 Km 90 Km 21 Km
Ironman 3,9 Km 180 Km 42 Km

1

A grande maioria dos atletas amadores tem como objetivo final terminar um IRONMAN. Deem uma espiada na tabela  acima para vocês verem quais as distâncias dessa prova. Agora esfreguem os olhos e olhem de novo. É isso mesmo! Vocês estão lendo certinho! Não teve erro de digitação. Deixa eu fazer um paralelo só para vocês sentirem o drama: Para aqueles que vivem em Campinas, é quase que uma nadadinha em volta da Lagoa do Taquaral (sem o trecho da Arautos), uma pedaladinha de ida e volta até São Paulo e, para arrematar, uma corridinha até Jundiaí! Muito louco né?

4

Me lembro que quando meu marido fez o seu primeiro Ironman em Floripa em 2005, não tinha mais do que 1000 inscritos na prova. Por aí. Em 2010, 5 anos depois, já tinha uns 1700. E o negócio só cresce. Pessoal, o mais incrível é que a maior parte dos participantes é constituída por atletas amadores! São executivos, empreendedores, mamães, donas de casa …. gente como a gente! O triathlon se popularizou muito nos últimos anos! Quando abrem as inscrições de um Ironman na internet, dependendo do local da prova, esgota em menos de 1h. É insano! Se você não está postado na frente da tela do computador para se cadastrar, já era!

Também quero fazer um IRONMAN um dia. Mas para isso, preciso ir me preparando desde já, tanto física como mentalmente. Se o meu marido faz uma prova dessas em 10h, eu provavelmente devo fazê-la entre 15 e 16h. Ou mais!! Ou seja: não basta ter condicionamento físico. A gente tem que realmente trabalhar a parte psicológica para encarar um desafio desses.

7

Faz 1 ano e 8 meses que comecei a treinar para provas de longa distância. Fui incrementando volume de treino pouco à pouco e me inscrevendo para várias competições. Foram diversas provas de corrida, ciclismo, aquathlon, duathlon e triathlon. A ideia era ganhar condicionamento e experiência. Por exemplo: no meu último triathlon olímpico senti muita sede ao sair do mar. Fiquei bastante zonza e demorei para fazer a transição para bike. Não havia me sentido tão mal quando nadei no lago da Academia da Força Aérea em Pirassununga. Ou seja… já aprendi! Terei que cuidar melhor de minha hidratação na próxima prova no mar! Outra coisa que aprendi: na hora da corrida, estava tão calor, que eu ia jogando água na cabeça. Só que água escorria pelo macaquinho e molhava todo o meu pé. Em um determinado momento, minha meia ficou tão molhada que fiz uma bolha. No quilômetro 9 já não aguentava de tanta dor! Ainda bem que foi só no final… Mas enfim! Na próxima prova vou procurar jogar água somente na nuca e evitar molhar o resto do corpo. Fora esses macetes que a gente só aprende na hora H, é importante ir fazendo várias provas para aprendermos a gerenciá-las. Em uma competição de corrida normal de 10Km, já tenho conseguido manter um pace de 5.40. Mas em um triathlon olímpico, minha média tem girado em torno de 6.30. Na hora da corrida, o corpo já está cansado e não adianta forçar! É muito importante se auto-conhecer e desenhar uma estratégia clara e customizada para cada prova.

Mas por quê tudo isso?

Gente… meu objetivo para esse ano é fazer meu primeiro 70.3, também conhecido como meio IRONMAN! 😱

Optei por estrear em uma prova chamada Challenge 70.3 que irá acontecer em Florianópolis no dia 4 dezembro deste ano. Tenho praticamente mais um mês e meio pela frente para me dedicar aos treinos, os quais estão ficando cada vez mais intensos! Serão quase 2km de natação no mar, 90 km de pedal e 21km de corrida. E posso contar um segredo? Estou morrendo de medo!!! 😁 O triathlon olímpico já tem sido um grande desafio para mim! O meio Iron é praticamente o dobro!!! Segundo meus cálculos, estimo fazer essa prova entre 7 e 8h se tudo correr conforme o planejado.

Depois de todo esse relato, aposto que alguns de vocês devem estar se perguntando: “Mas pra quê? O que você ganha com isso? Sai dessa vida, vamos fazer um churrasco e tomar um porre! Muito mais legal!”

Churrasco com amigos e um porre de Stela ao som da minha amiga DJ Rê Albano  também é TUDO DE BOM! Tenho que concordar! Eu adoro uma festa! 😀

Mas gente … não sei explicar! Tem todo um simbolismo por trás disso tudo. O triathlon, de certa forma, é um retrato da vida real. Através desse esporte, fui capaz de elevar minha autoestima e provar para mim mesma de que sou capaz de realizar algo incrível. Passei a me conhecer melhor. Aprendi a superar meus limites e sair da zona de conforto. Não estou ali para competir com ninguém, somente comigo mesma. Em uma prova de longa distância, aprendemos a exercer a paciência. Gerenciar a dor. Aprendemos a planejar e a executar uma tarefa com excelência. A ter disciplina. Foco. Concentração. Aprendemos a lidar com a frustração, com a perda, com os erros. Amadurecemos como pessoa…

Até outro dia atrás eu estava com sobrepeso. E olhem só. Hoje estou fazendo um triathlon olímpico para 3h. Não é demais!? Sou a prova viva de que qualquer um pode fazer triathlon.

photo-1421091242698-34f6ad7fc088

Gente, não estamos falando de saltos ornamentais, patinação artística no gelo ou ginástica olímpica. Come on!Estamos falando de nadar, pedalar e correr. São atividades que já fazemos de maneira natural. Não tem muito segredo. Dá para encarar, vai!? É só dar uma lapidada aqui e ali, e pronto! A menos que você tenha o objetivo de tornar-se  profissional. Aí sim… você vai precisar de uma boa dose de talento e um VO2 lá na casa do chapéu! Mas se você é como eu, que apenas quer ter o gostinho de cruzar a linha de chegada e superar os próprios limites, vai por mim: dá para encarar!

É fácil?! NÃO! Eu nunca disse que era fácil… só disse que queria desmistificar a complexidade deste esporte! E provar que qualquer um pode fazê-lo! 😁

Mas é como dizem por aí: Rapadura é doce mas não é mole não! E de boa… qual é a graça de fazer algo fácil, anyways?! O legal é justamente transpor barreiras, ultrapassar limites, romper estigmas!

Beijos e até o próximo post!